GALERIA: Screencaps da entrevista de Becca para o Solar Daybreak em 2014

Em 2014, Becca Fitzpatrick realizou uma pequena turnê pelas Filipinas, onde participou de vários eventos em vários lugares do país, divulgando seus livros, dando palestras, tirando fotos e autografando. Entre os eventos, Becca foi ao estúdio do programa Solar Daybreak do canal Solar News Philippines, onde falou de seus livros e carreira. Assista o vídeo abaixo:

 

Tiramos screencaps da entrevista, e já estão em nossa galeria:

OUATBR0016.jpgOUATBR0046~0.jpgOUATBR0120~0.jpgOUATBR0136~0.jpgOUATBR0180~0.jpg

Becca Fitzpatrick > TV Appearances > 2014 > Solar Daybreak, Philippines – Screencaps

 

Na galeria, também se encontra uma imagem da Becca gravando sua entrevista no estúdio:

Becca Fitzpatrick > TV Appearances > 2014 > 28/03 – Solar Daybreak, Philippines – Bastidores




EVENTOS: Becca Fitzpatrick visita a Adams Middle School e North Platte High School

Becca está em sua cidade natal, North Platte no Nebraska, onde está participando de alguns eventos. Na segunda-feira (07/11), Becca foi a um evento de assinatura de livros na livraria A to Z Bargain Books, e também visitou algumas escolas, incluindo a Adams Middle School, onde falou sobre sua vida de autora para as crianças.

A visita de Becca à Adams Middle School foi notícia na imprensa local. Assista à sua entrevista legendada para a TV em nosso canal:


Os screencaps da entrevista já estão em nossa galeria:

OUATBR0045.jpgOUATBR0005.jpgOUATBR0093.jpgOUATBR0176.jpgOUATBR0190.jpg

Becca Fitzpatrick > TV Appearances > 2016 > NBC Nebraska, North Platte – Screencaps

O site da NBC local também fez um artigo sobre a visita de Becca, leia:

A autora bestselling do New York Times e nativa de North Platte Becca Fitzpatrick retornou à sua cidade natal para falar com estudantes da Adams Middle School sobre sua jornada como um escritora na segunda-feira.

Ela disse que se passaram 20 anos desde a última vez que ela pôs os pés na sua antiga escola de ensino fundamental. Ela agora tem seis livros publicados com foco no público jovem adulto, de gênero romance de suspense.

“Quando me convidaram para vir aqui eu aceitei na hora. Este é o meu lar. Eu cresci aqui!”, disse Fitzpatrick.

Ela falou para as crianças de como seu primeiro livro foi rejeitado 20 vezes antes de uma editora aceitá-lo. Ela credita seus professores da North Platte High School que lhe deram a confiança necessária para começar sua carreira.

“Eu tive dois professores quando era uma estudante na escola que realmente influenciaram minha escrita e me disseram que eu era boa nisso, e eu deveria perseguir esta carreira”, disse Fitzpatrick.

Ela espera que por contar sua história, ela possa inspirar os alunos a sonhar grande.

“Espero que, se não outra coisa, que a minha própria jornada inspire-os a seguir seus sonhos e perseguir seus objetivos e perceber que eles podem fazer coisas difíceis”, disse ela.

Fitzpatrick também visitou outras escolas no distrito e realizou uma sessão de autógrafos na livraria A a Z Books em North Platte.

Confira as fotos de Becca na Adams Middle School na nossa galeria:

CwrZNJcVQAAGODn.jpgCwsEzrUUoAAVMnr.jpgCwrZNJcVQAAGODn.jpgCwsEzrUUoAAVMnr.jpgCwrZNJcVQAAGODn.jpg
Becca Fitzpatrick > Events > 2016 > 07/11 – Adams Middle School – North Platte, Nebraska

Na terça-feira (08/11), Becca visitou a North Platte High School, onde também conversou com os alunos sobre sua vida de escritora e autografou livros. Veja fotos em nossa galeria:

CwwrlOAUoAAJk-f.jpgCwwsCoHXAAA_oF1.jpgCwwxFCkUUAA_UAD.jpg14733355_701480770006459_4979502877308354560_n.jpgCwwrlOAUoAAJk-f.jpg
Becca Fitzpatrick > Events > 2016 > 08/11 – North Platte High School – North Platte, Nebraska

Becca também postou fotos em North Platte em seu Instagram (@becfitzpatrick):

14716668_1344372688915134_1939986429241196544_n.jpg14727477_1214064321984186_5686733005679230976_n.jpg14730539_732967030194155_4906018164422213632_n.jpg14727628_1638534236445216_3753570626636349440_n.jpg14716668_1344372688915134_1939986429241196544_n.jpg
Becca Fitzpatrick > Personal pictures > Instagram pictures > 2016

Via

Tradução e adaptação: Hush Hushers. Não reproduza sem os créditos!




Becca diz que título original de Silence era “Tempest” em nova entrevista

O site The Guardian fez uma ótima nova entrevista da Becca, em que ela fala de seus livros e diversos outros assuntos. Leia a tradução completa:

Se fosse possível viver dentro do mundo de um livro, qual mundo você escolheria e por quê?

Outlander de Diana Gabaldon, por causa de James Fraser. Isso é tudo.

De seus personagens, principais e secundários, com quem você acha que se parece mais?

Eu acho que escolheria Stella. No meu último ano do ensino médio, minha família se mudou para um estado diferente. Eu fui separada dos únicos amigos que eu já tinha feito, e fui forçada a me reinventar em uma cidade que eu não tinha nada a ver. Eu fiquei amargurada, com raiva e magoada. Com este movimento veio um monte de turbulência na minha família. Meus pais se divorciaram, e devido a uma mudança em nossa situação financeira, eu fui forçada a fazer uma faculdade que eu não tinha planejado. Foi um momento difícil para mim. Enquanto escrevia Dangerous Lies, eu sentia a dor de Stella. Confessei e canalizei a minha própria dor e sofrimento da minha adolescência; Eu deixei Stella passar por uma gama de emoções antes de encontrar a paz. Há leitores que vão achar Stella incrivelmente antipática. Para isso, eu diria, eu era muito antipática aos dezoito anos também.

Se você pudesse convidar qualquer um de seus personagens (vivos ou mortos) para um jantar, quem você convidaria?

Chet. Ele combinaria comigo – nenhum drama, muitos modos e charme.

Com qual dos seus personagens que você formaria uma equipe em um apocalipse zumbi? (Pessoalmente, eu acho que você deveria escolher Patch porque ele é imortal… e não acho que teria algum momento chato.)

Concordo com você – Patch com toda certeza! Ele sabe como lutar. Ele é duro e conivente e inteligente, e ele também sabe como fornecer humor em tempos sombrios.

Como é que você escolhe os títulos de seus livros?

Eu passo muito tempo no dicionário. Alguns dos títulos eu que escolhi (Hush, Hush e Crescendo). Outros passaram por vários títulos antes que a editora e o marketing ficassem satisfeitos. Silence foi originalmente intitulado Tempest. Você sabia que Dangerous Lies foi originalmente intitulado That Dark Summer? Depois se tornou Sapphire Skies. Finalmente, nós decidimos por Dangerous Lies.

Você tem hábitos peculiares ou rituais quando se escreve?

Eu gosto de escrever em silêncio. Eu faço a maioria da minha escrita no meu escritório em casa. Eu sempre tenho M&M’s perto de minhas mãos.

Como você se inspira para escrever?

Costumo ler os diários que eu mantinha no ensino médio. Todos os meus livros foram inspirados por eventos que aconteceram comigo quando era uma adolescente.

Que conselho você daria a um adolescente almejando se tornar um autor?

Mantenha um diário. Escrever em um diário é uma boa prática para tocar as emoções e descobrir sua voz.

Qual é o seu gênero favorito de escrever?

Romance.

Que autores você admira? (Para mim, eu sou inspirado por você, George Orwell, James Dawson, Harper Lee e Emily Bronte – vindo da área de Bronte, há um monte de inspiração dela.)

Oh, os pântanos! Você vive perto de Yorkshire? Sonhei com os pântanos quando eu era uma adolescente lendo O Morro dos Ventos Uivantes. Eu sou inspirada por Victoria Holt, Sandra Brown, Nora Roberts, Karen Joy Fowler e Emily Bronte.

Qual é o seu gênero favorito de ler?

Romance.

Se você tivesse que escolher um livro favorito, qual seria? (O meu é Hush, Hush de uma escritora chamada Becca Fitzpatrick, talvez você tenha ouvido falar dela?)

Sinto-me honrada. Tipo, eu estou sentada aqui sorrindo. Obrigada por isso. Meu livro favorito sempre muda, dependendo de onde eu estou na vida e quais problemas estou lidando. Neste momento o meu livro favorito é The Dark de Lemony Snicket, ilustrado por Jon Klassen. É um livro ilustrado sobre um menino que aprende a não ter medo do escuro. Este livro recentemente ajudou meu filho a lidar com seu próprio medo do escuro. Eu amo livros que me ajudar a alcançar meus filhos.

Qual é seu livro clássico favorito? (Eu amo Animal Farm e To Kill a Mockingbird – que são bem clássicos).

O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Bronte. Quando adolescente, eu estava completamente apaixonada por Heathcliff. Como uma adulta, ele me assusta.

E, um pouco fora do tópico, mas qual é o seu programa de televisão favorito? (Eu realmente amo Doctor Who e Reign.)

Oh, eu amo Reign! Minha série favorita é Modern Family. Sério, é como se os escritores estivessem escrevendo minha vida. Eu sou totalmente como a Claire Dunphy. Meu outro programa favorito é Longmire. Trata-se de um xerife em Wyoming que resolve crimes. Sempre vivi no oeste (eu mesma morei seis anos em Wyoming), então estou acostumada com o cenário selvagem e os personagens de cidade pequena.

OK. Eu também tenho algumas questões com respostas rápidas, então tente responder o mais rápido possível:

Drácula ou Frankenstien?

Frankenstein.

Gryffindor ou Slytherin?

Eu respondi um quiz que me qualificou como Slytherin, mas eu sou totalmente Gryffindor.

JK Rowling ou JRR Tolkien?

JK Rowling.

Laptop ou máquina de escrever?

Laptop.

Reed ou Chet?

Chet, claro!

Bronte ou Austen?

Depende do meu humor. Hoje? Austen.

TV ou filmes?

Filmes.

The Beatles ou The Rolling Stones?

Talvez The Rolling Stones. Eu posso mudar minha mente amanhã.

Nora ou Stella?

Stella.

Via

Tradução e adaptação: HushHushers. Não reproduza sem os créditos!




Becca Fitzpatrick conta por qual livro ela é grata

O site da revista Parede fez uma lista de livros que 23 autores são gratos, em comemoração ao Dia de Ação de Graças. Becca está nessa lista. Veja qual livro a autora escolheu:

Becca Fitzpatrick, autora best-seller da saga Hush, Hush, Black Ice e Dangerous Lies.

The Dark, de Lemony Snicket, ilustrado por Jon Klassen.

Há alguns meses atrás, meu filho mais novo acordou no meio da noite, apavorado. Ele disse ter visto coisas invisíveis se escondendo em seu armário. Ele ouviu passos do lado de fora da porta do quarto, indo em sua direção. Todas as noites, ele foi para a cama com três luzes acesas. Depois que ele caía no sono, eu as desligava. Ele acordava e acendia-as novamente. Dançamos desta forma durante várias semanas. Ele me ajudou a trancar a casa à noite. Checamos seu armário juntos. Ele dormia na minha cama. Eu dormia em seu quarto. Mas nenhuma quantidade de reafirmação o convenceu de que ele estava seguro.

Numa tarde de sábado, fomos para a livraria. Enquanto ele escolhia seu livro, eu pesquisei. Vi um livro chamado The Dark. Mais tarde naquela noite, quando meu filho foi para seu quarto para dormir, ele encontrou o livro apoiado em seu travesseiro. Eu esperei e esperei. Quando ele saiu e me encontrou, ele disse: “Você acha que o escuro é meu amigo?” Eu disse: “Eu acho que no escuro quer ser seu amigo.” Naquela noite, meu filho caiu no sono com a luz do armário acesa, mas ele permitiu a escuridão em seu quarto.

Eu sou uma escritora, sim. Mas, primeiro, eu sou uma mãe. Eu sou grata por livros que me ajudam a alcançar meus filhos. Sou grata por livros que lhes dão coragem de fazer coisas difíceis.

Via

Tradução e adaptação: HushHushers. Não reproduza sem os créditos!




Becca diz que continuou a história de Patch e Nora mais do que o necessário

Em uma nova entrevista, Becca fala mais sobre Dangerous Lies, sobre seu gênero de escrita e sobre críticas recebidas. Leia:

Nós conversamos com a “Rainha das Chamas” e best-seller internacional, Becca Fitzpatrick, sobre YA, anjos caídos e romances dignos de um desmaio. Confira a entrevista completa abaixo.

Depois de Hush, Hush ser um sucesso tão grande, as pessoas devem ter assumido que você continuaria com a fantasia, mas parece que você está mais atraída para o lado thriller da literatura. Você concorda?

Eu gosto de me desafiar. Eu acho que continuar com romance paranormal teria me deixado confortável, mas é muito difícil crescer como escritora se eu sempre me sinto confortável. Escrevendo suspenses românticos foi uma maneira de me testar como escritora. Mas o que a mudança de gêneros realmente resumeé que Gelo Negro e Dangerous Lies são as histórias que me atraem.

Você prefere escrever séries ou livros únicos?

Eu escrevo a história que sinto que é importante para mim. Às vezes, essa história precisa de mais de um livro para ser contada. Às vezes eu posso contra em um livro. Se eu fosse uma escritora melhor quando escrevi Hush, Hush, eu acho que poderia ter contado a história em um livro. Acho que a história de Patch e Nora continuou mais do que o necessário, pois eu me sentia segura em ficar com personagens que eu conhecia bem, em vez de me esforçar para explorar novos mundos e personagens.

Por que você escreve YA [livros para jovens-adultos]?

Eu escrevo sobre personagens adolescentes porque meus próprios anos de adolescência foram preenchidos com eventos que tiveram um grande impacto sobre a adulta que sou hoje.

Nós percebemos que você ocasionalmente se depara com críticas por seus personagens femininas e se elas são ou não bons modelos feministas em relação a como elas se comportam em relacionamentos românticos. O que você diria a esses críticos?

A escrita não é uma lista de discussões para mim. Eu não estou tentando provar alguma coisa ou apresentar um guia sobre como viver. Só porque um personagem age de uma maneira, ou acredita em algo, não significa que eu ajo assim ou mantenho essa mesma crença. Um livro repleto de “pessoas-modelo” não me chamam a atenção.

Vimos que Dangerous Lies se chamava Sapphire Skies. Qual foi a razão para a mudança?

Minha editora mudou o título. Eu acho que eles queriam um título que soasse mais como um thriller do que um romance.

Você pode nos dar 3 razões pelo qual as pessoas devem definitivamente ler Dangerous Lies?

Leia-o se você ama amor de verão, romance de tirar o fôlego, e os segredos de uma cidade pequena.

Via

Tradução e adaptação: HushHushers. Não reproduza sem os créditos!

 




Nova entrevista de Becca sobre Dangerous Lies

Becca deu uma nova entrevista falando sobre Dangerous Lies, os personagens Chet e Stella e sobre sua paixão por mistério. Leia:

Todos os seus romances, incluindo a série Hush Hush e Black Ice, são totalmente thrillers. O que a atrai a escrever esse gênero por várias vezes?

Quando eu estava na faculdade, eu queria ser uma espiã. Eu fui atraída para a idéia de emoção e perigo. Na realidade, eu teria sido a pior espiã. Eu sou muito mais feliz vivendo uma vida normal e tranquila. Mas a idéia de perigo ainda me atrai. Eu acho que é por isso que sou atraída para o gênero. Escrever me dá a oportunidade de explorar essa fantasia de perigo – sem colocar minha vida em perigo real.

Embora as circunstâncias de Stella são diferentes da maioria dos adolescentes, muito do que ela sente é bem autêntico. Foi importante para você que, apesar destas circunstâncias difíceis, Stella enfrente questões sobre sua identidade, o seu futuro, e seus relacionamentos?

Stella não é perfeita. Ela é um personagem profundamente falho. Mas, por causa dessas falhas, ela tem muito espaço para crescer. Eu acho que o potencial para a mudança é fundamental para a personagem. No início da história, ela não confia em ninguém e não quer formar quaisquer ligações permanentes. É mais fácil empurrar as pessoas para longe do que deixá-los ver seu verdadeiro eu. Dada a sua formação e história, não faria sentido ela confiar facilmente ou convidar pessoas para sua vida com os braços abertos. Acho que os leitores se relacionam com esses sentimentos. Todos nós sabemos como uma traição é. Todos nós já tivemos que fazer a difícil escolha de mentir para cobrir alguém que amamos. Todos nós entendemos a culpa, a vergonha e o arrependimento. E todos nós entendemos uma profunda necessidade de cura.

Qual personagem foi o mais fácil de escrever, e qual personagem deu-lhe as maiores dificuldades?

O personagem de Chet foi muito natural para escrever, provavelmente porque eu o baseei no meu namorado do colégio! Meu namorado foi realmente um grande cara – inteligente, sensível, doce. É claro que, de acordo com minha temática de escrever bad boys, senti-me compelida a dar a Chet um passado obscuro. Você já percebeu que eu gostava de personagens problemáticos? Como Stella, Chet tem segredos e eles estão o devorando por dentro. Ele está à procura de redenção e precisa se curar tanto quanto Stella. Stella foi provavelmente a mais difícil de escrever. Ela está em muita dor. Era difícil passar tanto tempo com um personagem que estava em tanta dor. Eu queria fazer tudo certo para ela e tirar seu sofrimento. Mas não é assim que a vida funciona, não é?

O que a atraiu para a isolada e pequena cidade em Nebraska?

Thunder Basin foi baseada na cidade onde passei a minha infância. Em minha mente, Thunder Basin é tanto um personagem como Stella e Chet. Ela ocupa um lugar especial em meu coração. Todas as minhas primeiras vezes aconteceram lá – incluindo o meu primeiro amor e primeira decepção amorosa.

Quais são seus livros favoritos que você leu até agora este ano?

Eu estou lendo The House de Christina Lauren e estou amando. É muito assustador e arrepiante!

Via

Tradução e adaptação: HushHushers. Não reproduza sem os créditos!




“Algo não parecia certo”, diz Becca sobre o filme de Hush, Hush

No dia 08/10/14, Becca participou de um evento literário na livraria Barnes & Noble em Los Angeles, como parte da turnê de divulgação de Black Ice. Uma fã que estava presente entrevistou Becca e contou tudo em seu blog. Na entrevista, Becca fala sobre a inspiração para Black Ice, sobre o filme de Hush, Hush e muito mais. Leia a tradução:

[…]

Becca veio e falou sobre a sinopse de seus livros Hush Hush e, em seguida, a sinopse de Black Ice.

Becca: “Uma das perguntas que eu sempre recebo é de onde a ideia vem. É uma pergunta difícil, porque a inspiração vem em todas as formas. Para Black Ice, eu realmente persegui a ideia. Quando eu estava no ensino médio, nos mudamos para Idaho. Eu não tinha uma viagem do último ano planejada, então meus pais planejaram fazer uma viagem para as Tetons [uma cordilheira]. Eu fiquei doente e tive que ficar em casa.

Eu acabei assistindo um filme sobre uma historia real de uma mulher que estava sendo mantida refém e ela conseguiu uma maneira de escapar agindo como se ela estivesse se apaixonando por ele. Ela estava realmente apaixonada por ele ou apenas fingindo? E essa pergunta sempre me interessou.

A última coisa que eu queria falar era sobre como me tornei uma escritora. Você não tem que ter uma graduação específica para se tornar um escritor. Todo mundo tem sua própria história e sua própria caminhada. Quando eu tinha 8 anos, eu assisti Romancing the Stone. É sobre uma escritora de romances que tem que ir salvar sua irmã depois de ser raptada e levada para Columbia. Ela continua esta grande aventura e se apaixona por um homem alto, moreno e bonito. Eu me lembro que quando terminei de assistir isso eu disse à minha mãe que eu queria ser uma escritora de romances porque eu pensei que todo escritor fazia isso.

Na faculdade, eu queria ser uma espiã e me candidatei para a CIA duas vezes, mas nunca obtive resposta. Eu não comecei a escrever até que eu tinha 24 anos ou algo assim. O meu marido me matriculou em um curso, porque ele sempre me viu escrevendo no diário. Todos na classe tinham diplomas em escrita. Uma semana, o professor nos disse que tínhamos que escrever uma cena sobre humilhação.

Quando eu tinha 16 anos, um dos meus professores me chamou e pediu para descrever o meu companheiro perfeito. Bem, foi no ensino médio, de modo que foi muito embaraçoso. E um menino bonito atrás de mim ficou me cutucando no lado dizendo: ‘Sim, Becca. Descreva o seu homem’. Alguns de vocês podem reconhecer essa cena do livro.

Eu continuei a escrever 3 capítulos e em seguida enviei-lhes para NY. Eu não percebi que você precisava ter o livro inteiro. Eu continuei a enviar para NY e ser rejeitada. Após 5 anos, eu consegui uma agente e o livro foi vendido.”

Por que você decidiu terminar Finale daquela maneira?

Becca: Eu esbocei todos os meus livros antecipadamente. Eu sempre soube o final.

Quando os filmes saem?

Eu vendi os direitos do filme. Eu recebi o roteiro, em abril [de 2014]. Eu achei que eles fizeram um bom trabalho, mas eu pensei que não era o momento certo. Algo não parecia certo. Então não renovei os direitos do filme dessa vez. Eles voltaram para mim. Então, neste momento, não há planos.

Que tipo de pesquisa você fez?

Eu fui para os Tetons, mas eu não fiz a trilha mochileira. Minha agente realmente fez isso, então ela foi um bom recurso. Eu também falei com um homem que treinou o exército em técnicas de sobrevivência. Eu fiz muita investigação, mas tenho certeza que se eu estivesse presa, eu morreria.

Você tem um “dia de trabalho”?

Durante os 5 anos eu escrevi, meu marido trabalhava em tempo integral.

Existe alguma coisa que você tenha escrito que você não quer deixá-los mudar?

Eu sou muito maleável, então não. Não é a coisa mais importante. Se você estivesse tentando mudar os meus filhos, isso seria uma história diferente.

Algum aviso geral para escritores?

Eu me esforço com os diálogos. Eu gosto de bisbilhotar adolescentes e certificar-me que eles [os diálogos] soam autênticos. Eu vou para cafeterias e ouço-os para ter certeza de que meus personagens não soem como se fossem eu tentando agir como uma adolescente.

Qual livro YA [gênero literário Jovem Adulto] você gosta?

Um dos meus favoritos é The Summer I Turned Pretty de Jenny Han.

As fotos desse evento estão em nossa galeria:

61.jpg71.jpg111.jpgBzevW_LCAAAe28L.jpgBzgU6C9CMAAKSi3.jpg
Becca Fitzpatrick > Events > 2014 > 08/10 Barnes & Noble: Huntington Beach – Los Angeles, CA

Via

Tradução e adaptação: HushHushers. Não reproduza sem os créditos!




Jenn Martin entrevista a responsável pelas capas dos livros de Becca, Lucy Ruth

Jenn Martin, a assistente de Becca, entrevistou a responsável pelas capas dos livros da autora até agora, a diretora de arte da Simon & Schuster, chamada Lucy Ruth Cumming. Leia a entrevista traduzida abaixo:

Oi Lucy! Você pode nos contar um pouco sobre você e com o que uma designer de capas lida?

Passei a minha carreira toda na Simon & Schuster Para Jovens Leitores desenvolvendo tudo desde livros com fotos até romances jovens adultos. Tenho o melhor trabalho. Basicamente, como designer, tenho que ler ótimos livros YA desde os rascunhos em diante e meu trabalho é fazer a imagem que captura a história e tem atenção do leitor nas livrarias ou bibliotecas.

Isso pode envolver procurar o perfeito fotógrafo, planejar e executar um photoshoot, ou contratar um ótimo ilustrador.  Em todos os passos, sempre converso com o autor, o editor e o resto da equipe para garantir que faremos algo único, legal e algo que será relacionada diretamente ao livro.

Read more »




Becca diz que não se vê escrevendo algo novo de seus trabalhos passados

polfçe

Pode estar congelando, mas nunca houve uma desculpa melhor para enrolar-se no sofá do que mergulhar em um bom livro. Se você é um grande fã de Patch e da saga Hush, Hush ou ainda quer descobrir o prazer que é ler os livros de Becca Fitzpatrick, você precisa ler o seu mais recente, Black Ice.

O livro pode não ser o paranormal que você está esperando, mas é um suspense cheio de emoção em que que vemos a protagonista Brit sendo levado como refém em uma cordilheira remota durante uma nevasca. Forçado a orientá-los até a saída da montanha, a tarefa torna-se ainda mais complicada quando ela encontra evidências de uma série de assassinatos que ocorreram. E também há Mason, um de seus sequestradores, cuja bondade está prestes a tornar as coisas ainda mais confusas.

Ele é um inimigo ou um aliado?

Você vai ter que ler para descobrir, mas nesse meio tempo confira o que Becca tinha a dizer quando a perguntamos sobre meninos maus, Black Ice e a chance de um filme da saga Hush, Hush…

 

Black Ice é muito diferente da saga Hush Hush, o que fez você decidir se afastar de fantasia? Nós lemos que Black Ice começou com um toque paranormal – Como é que isso se encaixaria e o que fez você decidir abandoná-lo?

Becca: O primeiro esboço de Black Ice incluiu elementos paranormais. Havia fantasmas! Eu não estava conscientemente pensando sobre o gênero – Eu estava seguindo meus instintos e escrevendo a história que senti mais importante para mim naquele momento. Em rascunhos posteriores, os fantasmas foram cortadas e os aspectos penais e psicológicos tomaram o centro do palco. Sendo um pouco obvio o fato de que eu estava mudando de gênero definitivamente fez o salto parecer menos intimidante.

Nós amamos o livro – embora fosse absolutamente aterrorizante em alguns pontos – e tematicamente realmente parece lidar com a ideia de nossos medos mais profundos e também medo do fracasso. Foi algo que você queria explorar e foi inspirado por seus próprios medos?

Eu tento misturar meus romances em minhas experiências de minha adolescência, e enquanto eu (felizmente!) nunca enfrentei os desafios e perigos que Britt tem em Black Ice, muitas vezes eu encontrei-me perguntando o que eu faria se fosse tomada de minha família e tivesse que fugir por conta própria. Este medo é frente e centro para Britt em Black Ice.

Podemos esperar mais fantasia e paranormal de você no futuro ou essa experiência seduziu você a escrever thrillers para toda a vida?

No momento, eu estou gostando de escrever thrillers independentes. É refrescante não precisar acabar um livro com um suspense. Eu também gosto de pesquisar mundos contemporâneos, em vez de mundos de mitologia e fantasia. Meu próximo livro, Sapphire Skies, é um thriller romântico ambientado no mundo real.

Você tem um verdadeiro talento para escrever personagens masculinos deliciosamente misteriosos e enigmáticos. Patch é, claro, um personagem que está MUITO perto do coração das pessoas e Mason era tudo o que eu esperava! O que você acha que são os ingredientes ou características para escrever um protagonista masculino forte (e devastadoramente atraente) para o gênero Jovens Adultos?

Motivação. Eu gosto de meus heróis quererem algo mal e que não tenham medo de ir atrás disso. Gosto de caras que são fortes e protetores, mas que sabem quando recuar e deixam a sua menina assumir a liderança. Eu também gosto de um herói com um grande senso de humor.

Também precisamos saber – o caráter de Patch foi todo baseado em uma pessoa ou pessoas reais? (Você também pode nos apresentar, ha!)

Ele foi baseado em um cara que eu conheci no ensino médio. E isso é tudo o que eu vou dizer sobre isso!

Se você tivesse que voltar e escrever outra história sobre um personagem de qualquer um de seus trabalhos anteriores, quem seria e sobre o que seria?

Quando eu terminei tanto a saga Hush, Hush quanto Black Ice, senti uma sensação de encerramento. Eu escrevi o que precisava ser escrito, e agora eu estou pronta para seguir em frente. Eu não me vejo voltando. Desculpe, fãs obstinados!

Você já leu alguma fan fic relacionada com seus personagens? Se sim, você já leu algum e pensou “Oh, eu nunca tinha pensado em fazer isso” / ficou totalmente chocada com o tipo de histórias que você já viu?

Eu não leio fan fic. Eu gosto de manter a versão verdadeira de minhas histórias na cabeça. Mas eu não me oponho aos fãs escreverem fan fics.

Alguma outra dica você pode nos dar sobre seu próximo livro?

Eu estou trabalhando em um thriller adolescente autônomo chamado Sapphire Skies, que se passa em uma pequena cidade de Nebraska. A heroína, Stella, está no Programa de Proteção a Testemunhas, esperando para testemunhar em um julgamento contra um traficante de drogas. Nem sempre você pode ultrapassar o seu passado, e para Stella isso significa que ela nunca se sentirá realmente segura. Durante todo o tempo, ela está se apaixonando por esta pequena cidade no meio do nada… e talvez por um rapaz que ela conhece, enquanto ela está lá. Só que ele não sabe realmente porque ela etá no Programa de Proteção a Testemunhas e não pode contar a ninguém quem ela realmente é… É uma história divertida de escrever, espero que os leitores gostem também! O livro sai no outono de 2015.

Existe alguma notícia sobre o filme de Hush, Hush?  É algo que você gostaria de ver acontecer no futuro?

Infelizmente, eu não tenho nenhuma notícia. Se isso mudar, o primeiro lugar em que irei postar uma atualização será no meu site.

Como você era quando adolescente e se pudesse voltar atrás e dar ao seu “eu adolescente” um pouco de aconselhamento, o que seria?

Eu era uma introvertida em torno de estranhos, mas abria-me em torno de meus amigos mais próximos. Adorava aprender e fui bem na escola. Esportes, bandas (eu tocava clarinete!) e sair com os amigos tomou a maior parte do meu tempo. Gastei muita energia se preocupando com o que os outros pensavam de mim. Em retrospectiva, eles estavam ocupados demais se preocupando com eles mesmos para perceber se eu estava fazendo as coisas certas ou erradas. Meu conselho seria para ser verdadeira comigo mesma e rir do resto.

 

Via

Tradução e adaptação: HushHushers – Não reproduza sem os devidos crédidos!




Becca fala sobre Black Ice com o Young Adult Hollywood

1

Becca recentemente concedeu uma entrevista sobre seu novo livro, Black Ice, ao Young Adult Hollywood. Leia abaixo:

Black Ice é seu primeiro romance depois da conclusão de Hush, Hush. Qual a diferença entre escrever uma volume único e uma série? Foi uma transição fácil?

A maior diferença é ter que terminar a história em um livro só versus ter alguns livros para descobrir onde você quer que os personagens terminem. E se manter a par da mitologia em quatro livros é um pouco desafiador. Ir de série à escrever um volume único não foi uma transição difícil. Tento seguir meus instintos quando se trata das histórias que escrevo. A história de Black Ice me inspirou, então segui esse caminho.

Você provavelmente já respondeu isso incontáveis vezes mas para os nossos leitores que não sabem… qual é a inspiração por trás de Black Ice?

Tento enraizar meus romances nas minhas experiências da adolescência, mas mesmo que eu (agradecidamente!) nunca tenha encarado os desafios e e perigos que Britt enfrente em Black Ice, eu as vezes me pegava pensando no que faria se fosse tirada de minha família e tivesse que escapar sozinha. Esse medo é o centro para Britt em Black Ice.

Você tem alguma fala favorita de Black Ice que te marcou? Quais são?

“Depois de tudo que passamos, eu não merecia conhece-lo durantes as horas boas também?”

Promova Black Ice em um tweet, usando 140 caracteres ou menos. 

#Oinvernoestávindo e Britt está pronta para qualquer coisa. Mas alguns perigos você não vê até que seja tarde demais. #BLACKICE

Black Ice é uma história de sobrevivência de acelerar o coração. Como foi sua pesquisa para esse livro?

Procurei tudo no Google! Procurei por ataques de ursos, hipotermia, fome… e eu li tudo e qualquer coisa que pude sobre extremas táticas de sobrevivência.

Parabéns! Sei que você recentemente terminou a tour de Black Ice. Você tem cinco coisas que precisam ter durante uma sessão de autógrafos e enquanto viaja?

Meu item indispensável enquanto viajo é meu celular! Tiro foto em tour com leitores e deliciosas comidas e sobremesas que experimento durante o caminho. Sem mencionar que, amo poder manter contato com minha família em casa.

 Acho que todo fã seu está morrendo pra saber a resposta dessa pergunta de um milhão de dólares. Você planeja voltar ao universo de Hush, Hush?

Nunca diga nunca!

Qual é o próximo passo de Becca Fitzpatrick?

Estou atualmente trabalhando em um volume único chamado Shapphire Skies, que se passa numa pequena cidade em Nebraska. A heroína, Stella, está no Programa de Proteção à Testemunha, esperando para testemunhar em um julgamento contra um traficante de drogas. Você não pode correr de seu passado, e, para Stella, isso significa que ela nunca realmente se sente segura. Enquanto isso, ela está se apaixonando por esta pequena cidade no meio do nada… e talvez por um rapaz que ela conhece, enquanto ela está lá. Só que ele não sabe realmente o real porque ela está na proteção de testemunhas e não pode contar a ninguém quem ela realmente é … É uma história divertida de escrever, espero que os leitores gostem também! Ele será lançado no outono de 2015.

Via

Tradução e adaptação: HHBR – Não reproduza sem os créditos!




Becca visita faculdade inglesa

1

Autora Becca Fitzpatrick faz visita à Faculdade Oldham Sixth Form College

Uma autora da América deu aos estudantes uma prévia de seu mais novo livro quando visitou a Oldham Sixth Form.

Becca Fitzpatrick, a autora por trás da série ‘Hush, Hush’ em que todos foram para a lista dos mais vendidos do New York Times, faz uma visita à faculdade com seu mais novo livro ‘Black Ice’.

Ela se encontrou com os estudantes para autógrafos e uma sessão de perguntas antes de ganhar uma festa do chá inglesa para arrecadar dinheiro para a Wallace and Gromit Children’s Charity.

Sua visita também marcou o início do ‘desafio dos seis livros’ da faculdade – uma iniciativa nacional coordenada pela The Reading Agency que convida pessoas a lerem e revisarem seis livros que serão inseridos em um sorteio.

O diretor Jayne Clarke disse: “Houve uma sala cheia somente durante a palestra de Becca, que foi verdadeiramente inspiradora, além de ser muito interessante e divertida.”

“Nossos alunos realmente apreciaram a oportunidade de conhecer uma autora tão bem sucedida e popular e ouvir sobre suas experiências em primeira mão, junto com a ótima sessão de perguntas e autógrafos.”

Via

Assista à entrevista realizada com Becca na fonte.

JS51228184.jpgJS51228184.jpgJS51228184.jpgJS51228184.jpgJS51228184.jpg




Becca responde perguntas sobre Black Ice na #blackicefriday de hoje

black ice2

Em uma #blackicefriday de julho, Becca pediu para que seus fãs enviassem perguntar para ela e as respostas seriam divulgadas em setembro. Hoje, Becca postou as respostas no site countdowntoblackice.com. Confiram a tradução:

Lembram daquelas perguntas que vocês fizeram para a Becca em julho? Estamos finalmente revelando suas respostas! Leia mais para descobrir se a sua pergunta foi respondida e para obter informações privilegiadas sobre Black Ice!

 

Pergunta de Kayla R: Então, eu amei os livros de Hush, Hush e absolutamente me apaixonei por Patch. O quão difícil foi a transição dessa mentalidade [de Hush, Hush] para a de Black Ice? E qual dos personagens foi o seu favorito de escrever até agora? Como eu disse, eu sou definitivamente uma “Patch Girl” então eu sei que eu escolheria ele hehe.

Estou tão feliz que você ama Patch! Ele era muito divertido de escrever. Ele é ousado, misterioso, e ainda nos mostra um lado mais suave em torno de Nora. Depois de terminar Finale, eu sabia que tinha que ficar ocupada escrevendo algo novo para me manter longe da falta do mundo de Hush, Hush. Foi desafiante e agradável conhecer e compreender Britt, Mason, e Calvin. Além disso, não havia tanta investigação envolvida para escrever Black Ice. Eu pesquisei meu cenário, a bela e cruel Teton Range, passei horas lendo sobre serial killers (você sabia que muitos serial killers são adolescentes quando eles matam a sua primeira vítima?), e estudei sobrevivência na selva. Quanto ao meu personagem favorito de escrever, definitivamente Vee da saga Hush, Hush. Ela é tão engraçada e irritante. Suas linhas vieram facilmente. Mas em Black Ice, quem eu mais gostei de escrever foi Mason. Ele é tão complexo! E o fato de que ele é muito sexy não machuca também.

 

Pergunta de Mashuda F: Quem é o seu favorito entre os dois personagens principais (masculinos) de ambos os livros, Hush, Hush e Black Ice, e por quê?

Eu me apaixonei por Patch e Mason, por diferentes razões. Patch é escuro, sedutor, e tem um traço inegável. Ele é difícil de ignorar. Ele sabe todas as coisas certas para dizer, ele é suave. Mason é inteligente, observador e discreto. Ele é do tipo forte e silencioso. Quando ele entra em uma sala, as pessoas tomam conhecimento. Não porque ele chama atenção, mas porque ele tem uma presença dominante. Você sabe que ele não é alguém para se meter. Ao mesmo tempo, ele é mais acessível do que o Patch. Mais amigável. E não como arrogante – pelo menos por fora!

 

Pergunta de Terri R: De onde você tira a inspiração para escrever e quanto tempo demora de quando você começa a escrever até terminar? Estou muito curioso!

A inspiração vem de muitos lugares. Músicas, livros, filmes, sonhos, conversas ouvidas por acaso – tudo o que você pensar. Mas a minha maior fonte de inspiração é a minha própria vida. Felizmente, eu era cuidadosa sobre como escrever no meu diário quando era adolescente, então agora eu posso usar todas aquelas velhas lembranças e experiências e colocá-las em minhas histórias. Sobre o tempo, levo cerca de um ano e mais um pouco para escrever e editar um livro.

 

Pergunta de Susan B: Por que você escolheu esse problema de tempo [nevasca] para confinar seus personagens?

Tempestades criam uma sensação imediata de perigo, eu acho. Mesmo em nosso mundo moderno, muitas coisas podem dar errado no meio de uma nevasca. Eu realmente queria isolar Britt de ajuda externa e forçá-la a tornar-se cada vez mais independente.

 

Pergunta de Sabrina T: Houve algo muito estranho que você teve que pesquisar para Black Ice?

Ah, sim. Pelo menos, eu acho que sim. Eu tive que ligar para o Departamento de Pesca e Vida Selvagem da Califórnia para descobrir as legalidades da colheita do abalone (um molusco comestível). Eu também tive que ler relatos de pessoas que sobreviveram a um ataque de urso. Muito horrível e mórbido, para não mencionar assustador. E eu fiz muitas e muitas leituras sobre serial killers. Se eu tivesse que escolher entre enfrentar um urso pardo ou um serial killer, eu pegaria no urso.

 

Pergunta de Wan-Yi C: Oi~ Eu sou uma fã de Taiwan. A minha pergunta é: O que te inspirou a escrever Black Ice? E eu percebi que existem alguns elementos de suspense em suas histórias, o que faz seus trabalhos serem fantásticos. Você vai misturar outros novos elementos em suas novas obras?

Eu realmente amo seus livros, espero de que eu possa ler Black Ice o mais rápido possível! Obrigado por escrever essas histórias para nós. 🙂

Minhas próprias experiências durante o ensino médio inspiraram grande parte do livro. Quando eu tinha dezoito anos, assisti um filme de terror sobre um homem que rapta uma mulher e a mantém refém na floresta. Para escapar, ela finge se apaixonar por ele. Achei essa ideia aterrorizante! Escrever Black Ice foi uma forma de me explorar como eu me sentia sobre este filme e seus temas, que me assombraram durante anos.

 

Tradução e adaptação: HushHushers – não reproduza sem os créditos!





Página 1 de 3123